É Tudo Verdade 2021: Os “arrependidos” do tempo da ditadura

0 30

Não existe tema mais ingrato: documentar os ex-guerrilheiros que foram à TV e aos jornais renegar seu ativismo contra a ditadura militar. Esta é a proposta de Os Arrependidos, de Ricardo Calil e Armando Antenore. Ambos, na apresentação do filme, referem-se ao “incômodo” da tarefa. Para guiá-lo nessa selva escura, Calil se vale de um aforismo do pai de todos os documentaristas, Eduardo Coutinho: “Compreender as razões do outro, sem, necessariamente, lhe dar razão”.

Essa suspensão de julgamento moral não significa neutralidade, posição difícil de manter diante de um tempo tão conflagrado como foram os anos 1970, nos quais a história se desenrola. Mas permite escutar os personagens, sem estigmatizá-los a priori, como se deu, no calor da hora, entre a parcela da opinião pública oposicionista.

Vivia-se o governo do general Médici, reconhecidamente o mais violento e repressivo de todo o período ditatorial (1964-1985). Era tempo do AI-5 e da resistência armada em luta desigual contra o regime. Tempo dos porões da ditadura e da da tortura institucionalizada (mas jamais assumida) como política de Estado.

Nesse contexto, alguns presos políticos se apresentam à televisão e concedem entrevistas aos jornais, confessando-se “arrependidos” de suas ideias e dos atos praticados. Qual o grau de “sinceridade” desses depoimentos? Renegaram, de fato, suas convicções, ou apenas estavam negociando vantagens ou simplesmente escapando da tortura?

O filme caminha atrás das respostas a essas perguntas. Procura pelos personagens e os entrevista. Fala com os que se dispõem a exumar fantasmas do passado. A maioria recusa-se a revisitar experiências tão traumáticas. Procura também resgatar a trajetória e motivações de dois deles, já mortos. Até 1975, cerca de 40 presos políticos fizeram esse mea culpa público, exortando os jovens a não seguir esse caminho e passando a elogiar o regime que antes combatiam.

O regime via nesses depoimentos uma justificativa para suas ações repressivas. Era importante também no campo internacional, recorrente tentativa das ditaduras para se legitimar. Enfim, era uma operação tanto de propaganda quanto de guerra psicológica dissuasiva. Já para a esquerda, os “arrependidos” eram apenas traidores ou “desbundados”, como se chamavam os que haviam trocado a luta revolucionária pelas dunas de Ipanema e as praias da Bahia.

Já o filme mostra a heterogeneidade desse grupo. Há os convictos, que dizem ter renegado suas ideias porque abriram os olhos para a realidade e viram seu erro. Um deles hoje escreve em órgãos de direita e chama o general Médici de “estadista”. Tanta zelo faz desconfiar de que talvez não tenha sido um simples arrependido, afinal de contas. Outros, como Celso Lungaretti, autor do livro-depoimento Náufrago da Utopia, admite ter feito a encenação para escapar à tortura.

Outro, Massafumi Yoshinaga, negociou a liberdade em troca do “arrependimento”. Livrou-se da tortura e da prisão, mas, parece, nunca se libertou de fato. Ex-militante da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) entrou em depressão e suicidou-se em 1976.

Manoel Henrique Ferreira conseguiu denunciar a farsa através de uma carta, que passava, aos pedacinhos, para fora da prisão. Morreu em 2014. A leitura da carta endereçada a Dom Paulo Evaristo Arns, por sua viúva, Graça Lago, é um dos momentos mais esclarecedores (e emocionantes) do documentário.

Filme incômodo, como reconhecem os diretores. Porém fundamental para a compreensão de um pesadelo histórico que pensávamos encerrado e sobre o qual ainda há muito a compreender. De certa forma, vivemos a tragédia política atual por não termos tido a coragem de exorcizar o fantasma da ditadura.

Publicado por Luiz Fernando Zanin Oricchio

Luiz Fernando Zanin Oricchio estudou psicologia e filosofia na USP. Mestre em Psicologia Clínica pelo Instituto de Psicologia Clínica da Universidade de São Paulo. Escreve para O Estado de S. Paulo desde 1990. É crítico de cinema do jornal e escreve, de forma esporádica, sobre outros temas. Mantém blogs no Portal do Estadão (de Cultura e Futebol) e também blogs independentes. Tem contas no Facebook (Luiz Zanin) e no Twitter (@lzanin). Ver todos os posts por Luiz Fernando Zanin Oricchio

Fonte

Leave A Reply

Your email address will not be published.