Ana Carolina é a representante brasileira na ‘Cahiers’ dedicada às diretoras de cinema

0 52

A edição dos meses julho-agosto da revista francesa Cahiers du Cinema foi consagrada às “realisatrices”, às mulheres diretoras de cinema. A revista elaborou uma lista cronológica, começando pelos anos do cinema mudo (até 1930) e indo até 1999. Muito boa edição da tradicional revista de cinema. A única presença brasileira é a da diretora Ana Carolina.

A lista é estruturada em formato de pequenos verbetes crítico-biográficos sobre as diretoras. No de Ana Carolina, lemos a admiração do crítico Jean-Philippe Tessé pela trilogia formada por Mar de Rosas (1978), Das Tripas Coração (1982) e Sonho de Valsa (1987). Segundo o crítico, trata-se de uma obra “explosiva”, a cavalo entre a ditadura militar e a transição democrática. Destaca seus traços exasperados e o diálogo constante com o surrealismo e com a pornochanchada.

Afirma que, depois da trilogia, a realizadora fará ainda outros filmes, mas que “talvez sua verve frondosa tenha encontrado sua melhor expressão quando o país se encontrava sob as botas militares.” Não é impossível. Ditaduras são horrorosas, mas a resistência a elas às vezes é profícua.

Apenas senti falta de uma citação a Amélia (2001), filme em que, a meu ver, Ana Carolina reencontra seu melhor pulso. Além disso, faz uma menção importante à cultura francesa e seu problemático encontro com a cultura brasileira, relatando uma desastrosa viagem de Sarah Bernhardt ao Rio. O trópico devora a cultura europeia, num diálogo reatualizado com a antropofagia. Não sei se Tessé conhece a obra.

Publicado por Luiz Fernando Zanin Oricchio

Luiz Fernando Zanin Oricchio estudou psicologia e filosofia na USP. Mestre em Psicologia Clínica pelo Instituto de Psicologia Clínica da Universidade de São Paulo. Escreve para O Estado de S. Paulo desde 1990. É crítico de cinema do jornal e escreve, de forma esporádica, sobre outros temas. Mantém blogs no Portal do Estadão (de Cultura e Futebol) e também blogs independentes. Tem contas no Facebook (Luiz Zanin) e no Twitter (@lzanin). Ver todos os posts de Luiz Fernando Zanin Oricchio

Fonte

Leave A Reply

Your email address will not be published.